Lisboa E-Nova - Agência Municipal de Energia-Ambiente de Lisboa

Iniciar Sessão
Português (pt-PT)English (United Kingdom)
Home » Notícias

Celebra-se hoje, dia 29 de maio, o Dia Mundial da Energia. Assinalado em Portugal desde 1981, tem servido desde então de alerta às populações e às entidades oficiais para a necessidade de desenvolvimento de estratégias de eficiência e de poupança energéticas. Os impactos ambientais da produção e da utilização de energia são significativos e têm efeitos severos na preservação dos recursos ambientais e no aquecimento global. As mensagens passadas através das comemorações têm-se reflectido designadamente no aumento significativo, a nível nacional, da utilização de fontes de energias renováveis – uma tendência que se reflecte na diminuição da dependência de fornecedores externos e sobretudo da redução do uso de fontes fósseis, responsáveis pela emissão de gases com efeito de estufa. A Lisboa E-Nova, Agência de Energia e Ambiente de Lisboa, tem contribuído com muitos dos seus projetos para as mudanças desejáveis.

Segunda, 29 Maio 2017 12:01
Published in Notícias
Escrito por Maria João
Continuar...

Lisboa participa pela primeira vez no European Cycling Challenge, a maior competição mundial de ciclismo urbano por equipas. O desafio consiste em pôr o maior número de pessoas a pedalar o maior número de quilómetros possível, em cada uma das 51 cidades europeias participantes. No final, ganha a cidade que acumular mais quilómetros percorridos entre os dias 1 e 31 de maio. O principal objetivo da competição é provar aos concorrentes as vantagens do uso da bicicleta como meio de transporte diário. No caso da capital portuguesa, há o aliciante de poder experimentar os mais de 70 quilómetros de vias dedicadas para a circulação de bicicletas.
O desafio é lançado a todas as pessoas que residam, trabalhem ou estudem nas cidades participantes. Os lisboetas participarão no European Cycling Challenge integrados na equipa da Área Metropolitana de Lisboa. Para participar, só necessita de uma bicicleta e registar-se para  começar a somar os quilómetros percorridos. Os dados de cada participante são contabilizados e acumulados pela equipa e sub-equipa a que pertencer. Quem tiver um telemóvel inteligente pode descarregar a Naviki, uma aplicação que permite o registo do ciclistas e a contabilização automática dos quilómetros percorridos. Os participantes que não tiverem um smartphone podem inserir manualmente os dados das viagens em www.naviki.org ou importar um ficheiro .gpx da viagem criado com outro sistema de GPS. As instruções de preenchimento e utilização destas ferramentas podem ser consultadas em www.cyclingchallenge.eu/naviki.
Na cidade de Lisboa, o uso das bicicletas enquanto modo de transporte alternativo aos motorizados tem estado no topo da agenda mediática. A rede de ciclovias interligadas tem uma extensão de aproximadamente 70 quilómetros. Estsistema rede, tem vindo a ser complementada com soluções que permitem tornar mais segura a partilha com o tráfego automóvel onde as velocidades e o volume de tráfego são mais baixos. Até ao final de 2017, prevê-se que as vias submetidas a intervenção de modo a melhorar as suas condições de segurança atinjam um total de 90 quilómetros. Para quem nunca pedalou nas ruas da cidade, o European Cycling Challenge pode ser um bom pretexto para o começar a fazer.

Quarta, 03 Maio 2017 16:29
Published in Notícias
Escrito por Maria João
Continuar...

A terra é a nossa casa. Cuidemos dela!

Celebrou-se no passado dia 22 de abril mais um Dia da Terra. Há um ano, neste mesmo dia, 175 países assinaram o Acordo de Paris, um dos maiores e mais críticos desafios para o planeta.
O Dia da Terra tem como objetivo incentivar as pessoas em todo o mundo a serem mais amigas do ambiente e foi celebrado pela primeira vez em 1970, criado pelo senador norte americano Gaylord Nelson, depois de um devastador derrame de petróleo em 1969 em Santa Bárbara, Califórnia. O senador percebeu que se pudesse aproveitar esta tragédia ambiental para uma consciência pública emergente sobre a poluição do ar e da água, forçaria a proteção do ambiente na agenda política nacional. Ainda em 1970  Gaylord Nelson anunciou a ideia de um "ensino nacional sobre meio ambiente” .
No primeiro ano que este dia foi celebrado participaram 20 milhões de americanos, duas mil universidades, dez mil escolas primárias e secundárias e milhares de pessoas.
O Dia da Terra em 1970 alcançou um alinhamento político raro, juntando o apoio de republicanos e democratas, ricos e pobres, urbanistas e agricultores, magnatas e líderes trabalhistas. Esta pressão social teve sucesso e o governo dos Estados Unidos criou a Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos.
A partir de 1990, um grupo de líderes ambientais pediu a Denis Hayes, o fundador do Earth Day Network, para organizar uma grande campanha. Desta vez, o Dia da Terra foi global, mobilizando 200 milhões de pessoas em 141 países e levando as questões ambientais para o palco mundial. O Dia da Terra de 1990 ajudou a preparar o caminho para a Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento onde nasceu a Agenda 21 e onde foi aprovada a Convenção sobre Alterações Climáticas, a Convenção sobre Diversidade Biológica e a Declaração de princípios sobre florestas (Rio+92). Também levou o presidente Bill Clinton a conceder ao senador Nelson a Medalha Presidencial da Liberdade (1995) - a maior honra dada aos civis nos Estados Unidos - pelo seu papel como fundador do Dia da Terra.
Em 2010 viveu-se uma época de grande desafio para a comunidade ambiental. Os que negam as alterações climáticas, os lobistas do petróleo bem financiados, os políticos reticentes, um público desinteressado e uma comunidade ambiental dividida contribuíram para o cinismo narrativo. Apesar destes desafios, o Dia da Terra prevaleceu e o Earth Day Network restabeleceu o Dia da Terra como um ponto focal relevante e poderoso.
O Dia da Terra atingiu o seu status atual de grande relevância no mundo, celebrado por mais de mil milhões de pessoas por ano, e um dia de ação que altera o comportamento humano e provoca mudanças na política. Hoje, a luta por um ambiente limpo continua com crescente urgência, à medida que os estragos das alterações climáticas se tornam mais evidentes a cada dia.
Neste mesmo dia, em 2016, foi assinado o Acordo de Paris com o objetivo de reduzir as emissões de gases com efeito de estufa e prevenir o aquecimento global,tendo entrado em vigor em Novembro desse ano.

Quarta, 03 Maio 2017 16:22
Published in Notícias
Escrito por Maria João
Continuar...

Iniciar Sessão